‘Eu gosto de homem viril, meus namorados masculinos sempre foram assim’, diz Maria Bethânia

Maria Bethânia, famosa por sua voz expressiva, mas também por sua expressiva discreção ao tratar da vida pessoal, abriu o coração em entrevista à amiga Naná Karabachian, publicada no canal Hora de Naná, no YouTube. A cantora falou sobre sua vida em família, na infância em Santo Amaro, e revelou até o que a atrai em homens e mulheres. “Minha mãe não era muito de colinho, não. Também, com oito filhos, quando eu cheguei ela já tava de saco cheio (risos)… Mas, linda! O colo dela era no olhar!”, disse de Dona Canô.

Perguntada sobre que parte do corpo masculino gosta mais, Bethânia respondeu: “Acho bonito homem viril. Desde menina, sou atraída. Meu pai era um homem alto, muito bonito, muito elegante, muito forte, mulato, lindo! Talvez seja esse espelho que eu gosto”.

E continuou: “Os meus namorados masculinos sempre foram assim, rapazes corajosos, meio valentes, mas doces demais e suaves e amorosos e encantadores e poéticos…”. A cantora ainda enumerou duas paixões avassaladoras: o diretor teatral João Augusto e Zé, um destemido santamarense que “tinha moto e gostava de subir em coqueiros”.

“E de mulher?”, pergunta Naná. Bethânia: “Eu gostava do olhar de minha mãe, um modo muito sabido (risos) e irônico. Continuo gostando. Acho que o olho é uma bandeira. Às vezes, você é perversa e seu olho é de criança pedindo socorro. Às vezes você é completamente alucinada de paixão, quer transmitir, mas atrás tem uma sujeira que não deixa aquilo ser verdade… Olho é muito forte, pra mim, olho e mão”.

Na mesma entrevista, a artista conta também o que é capaz de tirar seu sono, fala sobre sua utopia de um Brasil “estabilizado”, canta, relembra amigos e momentos e afirma: “Fico com medo de um dia não ter o que cantar, porque o que eu canto é Brasil”.

por Metro1

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*