Chuva de dezembro de 2013 pode se repetir em MG e ES?

Diante de tanta chuva nos cinco primeiros dias de dezembro no Espírito Santo e em Minas Gerais, a população desses dois estados têm temido que a situação catastrófica de dezembro de 2013 volte a se repetir.

“A preocupação é válida, uma vez que o volume de chuva nos cinco primeiros dias do mês foi muito elevado. Na região de Vitória, em cinco dias choveu 80% da chuva de dezembro. Em Belo Horizonte, choveu 70% da média. Em muitas áreas do centro-sul do Espírito Santo, já choveu de 100 a 200 mm, o que corresponde a quase toda a chuva de dezembro. Tem áreas da Zona da Mata Mineira que já acumularam 350 mm, que é mais do que a média para o mês”, afirma a meteorologista da Climatempo Josélia Pegorim.

 

Como foi dezembro de 2013?

A chuva de dezembro de 2013 foi muito mais volumosa do que o normal no centro-norte e leste de Minas Gerais e sobre o Espírito Santo. É o que mostra o mapa de anomalia de chuva abaixo:

Anomalia de chuva no Sudeste do Brasil em dezembro de 2013.                                                                                                                                                                    Os tons de azul representam chuva acima da média.

Em Vitória, segundo dados do Instituto Nacional de Meteorologia (INMET), em dezembro de 2013 foram acumulados 713,9 mm de chuva, sendo que a média para o mês varia de 170 a 190 mm. Esse foi o maior volume de chuva já registrado na capital capixaba pelo menos desde o ano de 1961.

Em Aimorés, no Vale do Rio Doce (MG), choveu 822 milímetros em dezembro – quase quatro vezes mais do que o normal para o mês, que é de 215 milímetros. Esse acumulado representou quase a média chuva de um ano inteiro em apenas um mês, que é de aproximadamente 1.170 milímetros.

Na região de Caratinga, também no Vale do Rio Doce, choveu quase 470 milímetros em dezembro de 2013. Na região de Belo Horizonte, em dezembro de 2013 choveu 495 milímetros. Esses são alguns exemplos do que aconteceu no ano de 2013 nos estados de Minas Gerais e no Espírito Santo.

Embora tenha chovido bastante durante o mês de novembro de 2017, com vários episódios de temporais sobre Minas Gerais e o Espírito Santo, o total de chuva ficou em geral abaixo da média histórica.

                                                                                                                                                  Anomalia de chuva no Sudeste do Brasil em novembro de 2017.                                                                                                                                                                   Os tons de laranja representam chuva abaixo da média. 

Pegorim diz ainda que vai chover muito até o dia 10 de dezembro sobre a maioria das áreas desses dois estados. “A situação vai ficar ainda mais crítica porque a chuva dos primeiros cinco dias de dezembro de 2017 foi bastante volumosa e algumas áreas da Zona da Mata Mineira já estão em situação de emergência. No entanto, é muito difícil dizer se teremos volumes de chuva equivalentes aos que aconteceram em dezembro de 2013 no Espírito Santo e também no Vale do Rio Doce”, explica a meteorologista.

Para o meteorologista da Climatempo Alexandre Nascimento, de qualquer forma a situação é preocupante. “Mesmo que não dê a chuva de dezembro de 2013, os transtornos podem iguais ou piores, uma vez que em 2013 só choveu muito em dezembro (em novembro não choveu muito e em janeiro parou geral). Neste ano, já vem ocorrendo esporádicos períodos chuvosos”, afirma Nascimento.

Excesso de chuva prejudica agricultura

Os efeitos da chuva da primeira quinzena de dezembro também são preocupantes para a agricultura. O agrometeorologista da Climatempo Marco Antônio Santos comenta: “Se realmente cair toda essa chuva sobre o Espírito Santo, poderão ocorrer problemas com as lavouras de café, cacau e mamão, pois, como são cultivadas em áreas baixas, o escoamento das águas irá demorar para ocorrer, e alagamentos podem acontecer na metade norte do estado. Já na metade sul capixaba, área de café arábica e mais montanhosa, o problema é em relação a deslizamento de encostas e até mesmo problemas em estradas, o que vai afetar o transportes dos produtos agro”.

Elevação do nível do Rio Doce

Segundo avaliação do Serviço Geológico Brasileiro, o nível dos rios na bacia do Rio Doce no dia 05/12/2017 já estava bastante elevado, mas ainda era considerado normal.

                                                                                                       Situação dos rios na bacia do Rio Doce em 05/12/2017.

Rio Casca fica isolada após tempestade. Foto: Divulgação/PRF

Colaborou neste texto a estagiária Amanda Sampaio.

Deixe seu comentário

comentários