Polícia faz reconstituição do crime de jovem morta após dar carona pelo WhatsApp

A Polícia Civil realizou nesta quarta-feira (8) em Frutal, no Triângulo Mineiro, a reconstituição da morte de Kelly Cristina Cadamuro, de 22 anos. A radiologista foi assassinada durante uma carona marcada por WhatsApp na noite do último dia 1º de novembro. Jonathan Pereira do Prado, de 33 anos, que confessou matar e roubar a jovem, participou do procedimento que visa esclarecer as circunstâncias da morte.

Ele concordou em participar da reconstituição sob a condição de ter a cabeça coberta por capuz para não ter imagens registradas pela imprensa. Além disso, também utilizou um colete à prova de balas.

Participaram também representantes da Polícia Civil, da Perícia Criminal, do Ministério Público de Minas Gerais, Secretaria de Administração Prisional (Seap) e imprensa.

Segundo o delegado da Polícia Civil em Frutal, Bruno Giovanini, está descartada a hipótese de outra pessoa ter participado do crime. Em relação ao estupro, ainda existe a possibilidade, apesar de o criminoso negar. Pela reconstituição, a polícia esclareceu que Kelly foi morta durante trajeto até o local onde o corpo foi encontrado.

“Desde momento que realizamos a prisão, colhemos provas e a reconstituição foi necessária para confirmar linha de investigação. Sobre o estupro, Jonathan se manteve firme em negar, mas a versão dele é só uma parte de um todo e tem vários elementos que contrapõe o que ele diz. Vamos analisar com calma as provas e vamos confirmar se teve ou não o crime sexual”, contou.

Kelly foi morta em MG após fornecer uma carona marcada por WhatsApp (Foto: Reprodução/TV TEM)Kelly foi morta em MG após fornecer uma carona marcada por WhatsApp (Foto: Reprodução/TV TEM)

Kelly foi morta em MG após fornecer uma carona marcada por WhatsApp (Foto: Reprodução/TV TEM)

Bruno Giovanini também informou que foi possível esclarecer a forma como a jovem foi morta. “Hoje pela reconstituição percebemos que ela não morreu por afogamento, ela foi morta antes do corpo ter sido jogado na água. Ela foi estrangulada no caminho próximo onde ele deixou o corpo. Em relação a outros envolvidos, Jonathan agiu sozinho, os outros dois presos somente foram receptadores.”

Agora, a polícia deve encerrar o inquérito e enviar ao Ministério Público. Entre os crimes, Jonathan deve responder por latrocínio, crime sexual, entre outros.

Entenda o caso

A radiologista Kelly Cadamuro foi dada como desaparecida depois que saiu de São José do Rio Preto (SP) com destino a Itapagipe (MG) para encontrar com o namorado, que chegou a alertá-la por mensagem para que ela tivesse cuidado na viagem. O corpo dela foi encontrado em um córrego entre Itapagipe e Frutal no dia 2 de novembro sem a calça e com a cabeça mergulhada na água. A declaração de óbito aponta que ela foi vítima de asfixia e estrangulamento.

Jonathan foi preso no mesmo dia em São José do Rio Preto (SP). Outros dois homens também foram detidos suspeitos de comprar peças do veículo roubado da jovem. Já no dia 3, Jonathan que está preso no Presídio de Frutal, foi agredido por colegas de cela e precisou ser detido em cela isolada.

Jonathan está preso no presídio de Frutal, no Triângulo Mineiro (Foto: Samir Alouan/Rádio 97 FM/Pontal Online)Jonathan está preso no presídio de Frutal, no Triângulo Mineiro (Foto: Samir Alouan/Rádio 97 FM/Pontal Online)

Jonathan está preso no presídio de Frutal, no Triângulo Mineiro (Foto: Samir Alouan/Rádio 97 FM/Pontal Online)

Fonte: g1.com

Deixe seu comentário

comentários