Catorze estados e o DF têm protestos contra o governo Temer

Há manifestações no AC, BA, CE, DF, GO, MG, MT, PB, PE, PR, RJ, RN, RS, SC e SP. Atos pedem a saída do presidente e eleições diretas. Temer foi denunciado em junho por corrupção passiva; Câmara vota autorização para STF investigá-lo.

 

Manifestantes fazem diversos protestos pelo país nesta quarta-feira (2), dia em que a Câmara dos Deputados discute a denúncia contra o presidente Michel Temer (PMDB).

Temer foi denunciado ao Supremo Tribunal Federal (STF) em junho por corrupção passiva, com base nas delações de executivos do grupo J&F, que controla a JBS. No entanto, o STF só poderá analisar a denúncia contra o presidente se a Câmara autorizar.

Os protestos contra Temer pedem a sua saída e eleições diretas. A Câmara já abriu a sessão que vai analisar a denúncia (acompanhe ao vivo).

Foram registrados atos em doze estados: Acre, Bahia, Ceará, Distrito Federal, Goiás, Mato Grosso, Minas Gerais, Paraíba, Paraná, Pernambuco, Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul, Rio Grande do Norte, Santa Catarina e São Paulo.

Os protestos pedem que a Câmara dos Deputados aceite a denúncia contra o presidente Michel Temer. Há também manifestações que fecharam ruas e rodovias contra o aumento dos impostos sobre os combustíveis. Já os servidores de instituições federais de ensino protestam contra o corte de verbas.

Além da redução de impostos, os caminhoneiros querem mais segurança nas estadas, preço mínimo para o frete e aposentadoria diferenciada. No último dia 20, o governo anunciou um decreto aumentando a alíquota do PIS e Cofins sobre os combustíveis. A tributação sobre a gasolina subiu R$ 0,41 por litro; a do diesel, R$ 0,21; e a do etanol, R$ 0,20 por litro.

Veja a situação dos protestos em cada estado:

Acre

Servidores técnico-administrativos da Universidade Federal do Acre (Ufac) fazem um protesto, nesta quarta-feira (2) em Rio Branco, contra a redução de recursos para as universidades. Ao menos 80 pessoas participam do ato no campus da instituição nesta manhã. A Ufac teve redução de 16% em preasses do Ministério da Educação (MEC), o que corresponde a R$ 11 milhões a menos para custeio com manitenção e investimento.

Bahia

Um grupo de manifestantes realizou um protesto na tarde desta quarta-feira (2), em Salvador. O ato ocorreu na Praça da Piedade, no centro da cidade, e durou cerca de 2h. Os manifestantes exibiram faixas e cartazes com mensagens contra o presidente Temer. O ato, pacífico, não atrapalhou o trânsito da região.

Ceará

Manifestantes contrários a Temer bloquearam um trecho do 4º Anel Viário, que faz parte da rodovia BR-020, no cruzamento com a Avenida Osório de Paiva, em Fortaleza. O protesto começou às 6h40 e terminou às 8h15, com ação da Tropa de Choque no local.

Segundo a PRF, cerca de 60 manifestantes participaram do protesto nas vias. Os organizadores não divulgaram estimativa de participantes. O protesto foi convocado pela Frente Brasil Sem Medo. Os participantes levaram bandeiras e faixas pedindo a saída de Michel Temer e “Diretas Já”.

Distrito Federal

Em frente ao Congresso, em Brasília, policiais formavam uma barreira para impedir a aproximação dos manifestantes e evitar invasões. Ate as 18h10, cerca de 200 pessoas se reuniam no gramado da Esplanada. Representantes da Frente Brasil Popular, organizadora do ato, estimavam a presença de mais de mil pessoas no local.

Servidores da Universidade de Brasília (UnB) paralisaram as atividades nesta quarta-feira (2) e promoveram atos no prédio da reitoria. O protesto integra um movimento nacional para pressionar deputados a votar pela continuidade da denúncia contra o presidente Michel Temer e contra os cortes de verbas para a manutenção das universidades. Na UnB, o protesto também visa barrar a demissão de funcionários terceirizados.

Goiás

Servidores técnico-administrativos das três instituições federais de ensino de Goiás fazem protesto contra a redução de recursos para as universidades e reformas propostas pelo governo do presidente Michel Temer (PMDB). De acordo com o sindicato da categoria, cerca de 150 pessoas participam da manifestação

O ato começou por volta das 8h30 em frente à reitoria do IFG, no Setor Oeste. O grupo afixou faixas e cartazes no prédio, e se divide para fazer discursos relatando prejuízos causados pelor cortes de investimentos.

Mato Grosso

Caminhoneiros voltaram a bloquear um trecho da BR-163 em Sorriso, a 420 km de Cuiabá, e também fecharam um trecho da BR-070, em Barra do Garças, a 516 km da capital. Segundo a Rota do Oeste, concessionária que administra a rodovia, o grupo que fechou a BR-163 é o mesmo que protestou na terça-feira (1º) contra o aumento do PIS/Cofins sobre os combustíveis.

O grupo impede a passagem de veículos pesados. Apenas os que transportam carga viva e produtos perecíveis têm passagem liberada, assim como os outros tipos de veículos, além de carros oficiais e ambulâncias. A fila de congestionamento no local chegava a 1 km por volta das 9h.

Minas Gerais

Caminhoneiros fizeram ao menos três protestos na BR-040 nesta manhã, de acordo com a Polícia Rodoviária Federal (PRF). Eles criticam o aumento dos combustíveis. No km 511, em Ribeirão das Neves, na Região Metropolitana de Belo Horizonte, os manifestantes colocaram fogo fecharam duas duas pistas no sentido capital mineira. No km 466, em Sete Lagoas, e no km 602, em Congonhas, ambas as cidades na Região Central, a interdição era parcial – ônibus e carros eram autorizados a passar.

Caminhoneiros também interditaram parcialmente a BR-251, próximo a Francisco Sá. O protesto começou às 6h30 e, até as 9h, a BR permanecia interditada. Segundo os caminhoneiros, não há previsão para liberação da pista, e o trânsito está liberado para automóveis, ambulâncias e ônibus.

Em Barroso, um grupo de caminhoneiros realiza uma manifestação no KM 226 da BR-265. Não há previsão de término.

Em Juiz de Fora, os servidores da universidade federal paralisaram as atividades. Eles são contra o governo Temer, reformas trabalhista e tributária e Plano de Demissão Voluntária.

Paraná

Caminhoneiros retomaram nesta quarta as manifestações em rodovias do Paraná. A categoria protesta desde terça-feira contra o aumento dos impostos sobre os combustíveis, que tem encarecido o produto nos postos. Até as 10h30, a Polícia Rodoviária Estadual (PRE) registrava ao menos três pontos de bloqueios nas estradas. Por volta das 12h um deles tinha sido liberado.

Paraíba

Um grupo com caixão e cruzes protestou em Campina Grande contra o presidente Temer. A manifestação ocorreu no Centro da cidade, contra reformas da previdência e trabalhista e a favor da investigação contra o presidente. O protesto aconteceu sem tumultos no Calçadão da Rua Cardoso Vieira, no Centro de Campina Grande. As manifestações começaram por volta das 17h e foram até as 18h.

Pernambuco

Um protesto contra Temer, promovido pelo Movimento dos Trabalhadores Sem Teto (MTST), interditou um trecho da Rodovia BR-101, na Zona Oeste do Recife. O ato, de acordo com a Polícia Rodoviária Federal (PRF), reuniu cerca de 200 pessoas. Os organizadores não divulgaram números. O protesto foi inciado por volta das 6h30 e os dois sentidos da rodovia foram liberados às 8h15.

Rio de Janeiro

Trabalhadores protestam nesta manhã no Centro de Campos dos Goytacazes, no Norte Fluminense. Eles querem a aceitação da denúncia contra o presidente Michel Temer. O ato foi convocado pelos sindicatos e associações de servidores da Faetec, da Uenf, da Uerj e dos bancários. Nem os organizadores nem a Polícia Militar divulgaram quantas pessoas participam do ato.

O grupo pede ainda a regularização dos salários e repasses às instituições e também reclamam do acúmulo de função.

 a região serrana do Rio de Janeiro, caminhoneiros protestam na tarde desta quarta-feira (2) na BR-040, em Petrópolis, contra o aumento do diesel, falta de segurança nas estradas e alto valor do pedágio. Eles se concentram no km 61 da rodovia, sentido Juiz de Fora. Segundo a Concer, concessionária que administra a rodovia, não há retenções no trecho.

Rio Grande do Sul

Caminhoneiros fizeram protestos entre a noite de terça e a madrugada desta quarta-feira em pelo menos seis pontos de rodovias federais do Rio Grande do Sul. O objetivo é chamar atenção para o alto preço do óleo diesel.

Em Guaíba, na Região Metropolitana de Porto Alegre, pneus foram queimados por manifestantes na BR-116. No local se concentraram cerca de 300 caminhoneiros, até as 5h desta quarta.

Também ocorreram concentrações de caminhoneiros em três trechos da BR-116, em Camaquã, São Lourenço do Sul e Cristal. Mas não houve bloqueios no trânsito. Em Pelotas, no Sul do estado, quatro caminhões foram depredados ao furarem um bloqueio na BR-392. Também houve protestos na BR-385 em São Luiz Gonzaga.

Rio Grande do Norte

Em Natal, servidores ligados a centrais sindicais realizaram um protesto nesta quarta-feira (2) na Zona Leste da capital. Com faixas, cartazes e palavras de ordem, ele pediram a aceitação da denúncia contra o presidente Michel Temer e se manifestaram contra a reforma trabalhista.

O governador do RN, Robinson Faria, também foi alvo de protesto. Nem os organizadores do ato nem a Polícia Militar estimaram o número de participantes.

Santa Catarina

Em Florianópolis, manifestantes fizeram um ato contra o governo de Michel Temer durante uma marcha pelos direitos das mulheres. O protesto reuniu 10 mil pessoas, segundo a organização, e 5 mil, de acordo com a Polícia Militar.

São Paulo

Manifestantes bloquearam ao menos três rodovias de São Paulo nesta manhã em protesto pela aceitação da denúncia contra Temer. Os dois sentidos da Rodovia Régis Bittencourt na altura do km 274, entre as cidades de Embu das Artes e Taboão da Serra, foram interditados por volta das 7h. Às 7h40, a via foi totalmente liberada, mas havia grande congestionamento.

A Rodovia Anchieta foi bloqueada no km 23 na altura de São Bernardo do Campo, por volta das 7h. Às 7h40, a via já havia sido liberada para os carros. A Rodovia Presidente Dutra foi fechada no sentido São Paulo com barricada de pneus entre km 209 e 210, região de Guarulhos. Integrantes do Movimento dos Trabalhadores Sem Teto (MTST) gritaram palavras de ordem contra o presidente Michel Temer. Às 8h, a Dutra foi liberada.

À tarde, na capital, um grupo de manifestantes se reúne na Avenida Paulista para protestar contra o presidente da República. O ato ocorre em frente ao escritório da Presidência da República. A Polícia Militar não divulgou o total de participantes. Até por volta de 16h40, não havia bloqueio nas ruas, segundo a Companhia de Engenharia de Tráfego (CET).

Em Ribeirão Preto, caminhoneiros bloquearam a Rodovia Anhanguera (SP-330) por cerca de uma hora nesta manhã em protesto contra Temer e o aumento de impostos sobre os combustíveis. Os manifestantes colocaram fogo em pneus próximo ao km 296. A pista ficou interditada entre 7h26 e 8h25.

Em Ourinhos, caminhoneiros pararam seus caminhõs no acostamento da na Rodovia Raposo Tavares (SP-270) em protesto contra a reforma da Previdência, o aumento do preço dos combustíveis e também pela valorização do frete. Segundo o Sindicato dos Caminhoneiros de Ourinhos, 100 caminhoneiros participaram do protesto que começou por volta das 11 horas. Já para Polícia Rodoviária foram 70. O tráfego não precisou ser interrompido. Por volta das 14h, os caminhoneiros deixaram o local. (G1)

Grupo projeta frases contra presidente Michel Temer no prédio do Congresso Nacional, em Brasília (Foto: Neila Almeida/G1)

Leave a Comment